Opinião Popular: Gestão (anti)democrática nas escolas públicas



A nossa LDB, que foi fruto de uma luta de classe, traz em seu bojo uma conquista para professores, alunos e comunidade: a gestão democrática.

A democracia deve fazer parte do cotidiano escolar, estimular funcionários, professores e alunos a serem inseridos nas decisões importantes das escolas, que todos os segmentos sejam consultados, todos sejam ouvidos. Democracia é isto, participação e compromisso de todos no bem comum da escola. É lógico que a realidade sempre é dúbia, oferecendo o outro lado da moeda.

Talvez alguns diretores ainda estejam ligados de uma forma ou de outra ao passado, não compreendem o momento histórico e passem a agir de forma antidemocrática, querendo tomar as decisões sozinhos ou com aqueles velhos grupinhos de sempre que colocaram muitas escolas em situações vexatórias. Burlam os conselhos escolares, não incentivam formação do grêmio, afastam a comunidade das decisões, continuam igualzinho àqueles diretores que "AQUI QUEM MANDA SOU EU". 

Esta escola onde o perfil do diretor é antidemocrático, tenho certeza de que em pouco tempo ela vai ficar vazia e fechar, porque os alunos, professores e funcionários irão migrar naturalmente para onde exista liberdade de expressão e ambiente de trabalho mais saudável. 

ELES, OS ANTIDEMOCRÁTICOS ESTÃO FADADOS AO FRACASSO, questão de pouco tempo. Conheço algumas escolas onde senti que as sementes da gestão democrática estão germinando com mais firmeza e onde seus frutos com certeza servirão de exemplo para as outras escolas.
Todas as coisas são possíveis quando sustentadas por valores consistentes.

Professor Almecides Carvalho da Silva. Professor da rede Municipal (desde 1993) e Estadual (desde 1995). Licenciado em Pedagogia e Matemática. Especialista em Orientação Educacional e Gestão Escolar